1906

1906

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Sopas depois de almoço

Comunicado retirado do facebook do Sporting CP: 

"Tendo em conta as condições colocadas pelo Presidente do Sporting Clube de Portugal na Assembleia Geral do passado dia 17, os comentadores Sportinguistas reconhecem que o sentimento da generalidade dos Sócios e Adeptos do Clube exigia esta tomada de posição.
O Presidente Bruno de Carvalho e os comentadores concordam que é fundamental defender o Clube, perante uma Comunicação Social que, genericamente, tem desrespeitado de forma sistemática a Instituição e o bom nome dos seus dirigentes, concluindo ser do interesse do Sporting CP que o Presidente mantenha, tal como até aqui, a defesa intransigente dos superiores interesses do Sporting CP pelos meios que entenda convenientes.
Os comentadores esperam que nos seus espaços de intervenção mediática, e na generalidade da Comunicação Social, não voltem a ser ultrapassados limites que ponham em causa o bom nome do Sporting Clube de Portugal, bem como do seu Presidente e restantes Órgãos Sociais.
A Direcção do Sporting Clube de Portugal
André Dias Ferreira
Augusto Inácio
Carlos Anjos
Eduardo Garcia
Fernando Mendes
Hélder Amaral
Jaime Mourão Ferreira
José de Pina
Litos
Luís Marques
Manuel Fernandes
Paulo Andrade
Rui Rigueiro"

E depois da AG, é ir tirando conclusões sobre o que foi dito. E como não chega um comunicado, fica aqui a mais recente resposta do presidente, retirado da página de facebook do mesmo:

"O Sindicato dos Jornalistas, o CNID e agora a Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC), decidiram tomar partido contra o Sporting Clube de Portugal, na sequência da Assembleia Geral do Clube do passado dia 17 de Fevereiro.
Quando iniciei as funções no Sporting CP, foi evidente que as lutas que travei mexeram, e mexem, com muitos interesses no Clube e na Sociedade.
Vivemos num mundo de grupos, seitas, favores, cunhas, cartilhas e onde "uma mão lava a outra". Cada vez mais, a sociedade desenvolve a sua capacidade de sobrevivência onde a hipocrisia, chico-espertice e manipulação são as chaves principais.
A comunicação é só mais um desses vectores.
Numa semana em que é denunciado que, de forma propositada, um Twitter de um partido me atacou e, com isso, o Sporting CP, sem qualquer tipo de consequências, temos agora uma atitude parva e corporativista de umas instituições que nada fazem para bem do jornalismo português.
1. Sindicato dos Jornalistas? Mas quem é esta Sofia Branco? De onde veio? De que clube é? Onde estava quando o benfica ameaçou todos os jornalistas que falassem do caso emails? Para que necessitam os jornalistas de um sindicato que representa apenas cerca de 20% da sua classe? Que direito moral tem este sindicato de dizer, seja o que for, quando com um discurso meu normal tem uma atitude infantil e pressecutória e, ao mesmo tempo, estava um jornalista a ser verdadeiramente agredido no estádio da luz e ficaram calados? É por o jornalista em causa não ser sindicalizado, ou por quererem abafar novamente tudo o que, contra a lei, é feito no benfica?
2. E o CNID. Que raio de Associação é esta, cujo presidente Manuel Queiroz é um comentador residente de um programa desportivo na TVI, onde destila ignorância e veneno contra mim e contra o Sporting CP todos os programas? Mas que raio de isenção e profissionalismo é este? Mas quem é este senhor que nunca cumpriu, pelo menos relativamente ao Sporting CP, o Código Deontológico da sua profissão para fazer comunicados?
3. E agora a ERC? Mas estamos a falar da mesma ERC que ignora as denúncias factuais do Sporting CP? Que ignora existirem jornalistas avençados por clubes? Que ignora as verdadeiras campanhas de difamação, calúnia, injúria que se cometem em muitos orgãos de comunicação social? Que tem medo de tomar decisões sérias, e vem apenas fazer estes comunicados sem sentido e totalmente parciais apenas porque é para atingir o Sporting CP? Quem são estas pessoas? O que tem sido o seu trabalho real? O que têm contribuído para o bem da sociedade e de uma comunicação social séria, livre, justa, profissional, que cumpra a lei e o código deontológico da sua área?
Com esta atitude, a ERC violou o dever de equidistância e isenção que deve ser apanágio de qualquer regulador.
Como já disse nunca vi a ERC fazer qualquer espécie de intervenção pública quando, em programas de canais televisivos ou em jornais, são sistematicamente violadas todas as regras deontológicas do exercício do jornalismo promovendo calúnias, difamações, injúrias e ataques de carácter que visam apenas a destruição da honra e do bom nome do Sporting CP, meu e dos Órgãos Sociais do Clube.
A ERC decidiu, em tom ameaçador, vestir a pele de milícia popular e aliar-se ao Sindicato dos Jornalistas e ao CNID, numa lógica corporativa que atenta contra as mais elementares daquele que deve ser o papel do Estado. E fez pior, com esta tomada de posição pactuou com a manipulação e com a deturpação promovida pela Comunicação Social das minhas palavras.
A ERC faltou assim, outra vez, ao respeito ao Sporting CP e a mais de 3,5 milhões de Sportinguistas. E isso nós não podemos tolerar!"


Mais uma vez ler e tirar conclusões. Existem abusos sim senhor. Mas não me parece isto ou a tentativa de cobrança pública de cotas os melhores métodos. 

Amanhã temos jogo.





SL




Sem comentários:

Enviar um comentário