1906

1906

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Um dia diferente, para pior!

Antes das dez da manhã, já se sabia que o Sporting queria despedir Onyewu e Bojinov, castigar Luka, Fokobo e Pranjic, e processar o Turan, Labyad e Elias. Quem anunciava tudo isto, jornal Record. 

Não quis acreditar. Mas quando já era anunciado no zerozero.pt, fiquei assustado.

Defendo as medidas porque existem regras a cumprir, mas para mim é um erro de comunicação do clube. Pensei que este tipo de coisas estavam ultrapassadas. 

Continuando, vão despedir os jogadores porque os salários são incomportáveis. Com a proximidade do fim mercado de transferências estes casos têm de ser resolvidos com a máxima urgência, pois nós não conhecemos todas as linhas do acordo com a banca. Em relação aos restantes, são situações que devem ser tratadas internamente e apenas comunicadas para o exterior pelo clube. 

Sempre que existiram comentários exteriores sobre o Sporting mais negativos, foram emitidos comunicados. O último foi sobre a presença do Jorge Gabriel no programa Trio de Ataque. Hoje, silêncio. 

Para acabar com a conversa dos despedidos, vendidos e dispensáveis. Faz sentido dispensar Golas, André Santos, Salomão ou Rubio? Se Capel sair quem fica no banco? Se Cissé for emprestado ficamos com dois avançados mais o Wilson. Eu acho um erro, mas confio no Mister Leonardo Jardim. Dia três de Setembro veremos quem fica. 

Quero também chamar a atenção para algo que também me incomodou hoje. As capas dos jornais. Existe demasiado Sporting e eu espero que os adeptos não se deixem ir nestas cantigas. É assim que acontecem as distracções.

Espero que seja tudo resolvido, inclusive o caso Bruma. 


Quero acabar com os meus parabéns ao Paços de Ferreira. Deu tudo o que podia e não merecia sofrer quatro golos. Boa sorte na Europa.



Até amanhã,
Saudações Leoninas


PS: Esta discussão entre José Mota e o Paulo Fonseca já enjoa. 


   

2 comentários:

  1. Uma pequena nota júridica sobre o caso Bruma :
    Nos termos do artigo 6º do anexo III do Contrato Colectivo entre a Liga Portuguesa de Futebol Profissional e o Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol, respeitante ao "Contrato de Formação", a duração do contrato de formação é de no máximo 4 épocas desportivas (nº 1).
    Ora se Bruma assinou por 3 anos (até 2013) mais um ano como prometido (o tal contrato promessa) é jogador do Sporting até 2014 !
    A tão falada norma da FIFA que estipula apenas 3 anos para a validade máxima de um contrato de formação não deve ser aqui atendida pois que não foi estipulada no referido contrato colectivo de trabalho. Tendo esse assunto (diferença entre a norma da FIFA e o estipulado em Portugal) que sêr tratado entre a FIFA e a Federação Portuguesa de Futebol com as devidas consequências para a FPF por não têr transcrito para a legislação Portuguesa o que a FIFA impõe.
    Nada, portanto, que tenha a vêr com o Sporting, pois que se regem os referidos contratos pelo que está descrito na legislação em vigor em Portugal.
    Assim, estão, Liga e Sindicato dos Jogadores, “agarrados” ao estipulado no Contrato Colectivo de Trabalho (4 anos) e cai por terra o argumento dos três anos como prazo máximo para um contrato de formação.
    Julgo que deve ter sido este um dos argumentos utilizados pelo Sporting na sua contestação ao pedido de nulidade, deixando, assim, apenas uma saída para a CAP : dar como improcedente o pedido de nulidade interposto por Bruma porque na legislação em vigor em Portugal os contratos de formação podem ir até ao máximo de 4 anos, (sob pena de não o fazendo, estar a “entalar” a FPF, a Liga e o Sindicato de Jogadores, estes últimos signatários do referido Contrato Colectivo de Trabalho).
    Saudações LEONINAS.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelo esclarecimento.
    Isso explica o porque de demorar tanto tempo...

    ResponderEliminar